segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Oceania e Regiões Polares


Oceania
Oceania é uma região geográfica e geopolítica, composta por vários grupos de ilhas do Oceano Pacífico (Polinésia, Melanésia e Micronésia). O termo "Oceania" foi cunhado em 1831 pelo explorador francês Dumont d'Urville. O termo é usado hoje em vários idiomas para designar um continente que compreende a Austrália e ilhas do Pacífico adjacentes. Os limites da Oceania são definidos de várias maneiras. A maioria das definições reconhecem partes da Austral ásia como a Austrália, Nova Zelândia e Nova Guiné, e parte do Arquipélago Malaio como sendo partes da Oceania. Embora as ilhas da Oceania não formem um continente verdadeiro, Oceania as vezes é associada com o continente da Austrália ou com a Austral ásia, com o propósito de dividir o planeta em agrupamentos continentais. É o menor "continente" em área e em população (não contando com a Antártica).

Geografia

O Novíssimo Mundo - assim chamado por ter sido descoberto apenas em 1770, pelo inglês James Cook - é formado por milhares de ilhas de diversas extensões, desde pequenos atóis coralígenos até a Austrália, pouco menor que o Brasil. Ocupa ao todo uma área de mais de 8.900.000 quilômetros quadrados nos quatro hemisférios: estende-se de 21 graus de latitude norte a 50 graus de latitude sul e de 111 graus de longitude leste a 119 graus de longitude oeste.
Atravessada pela linha do Equador e pelo Trópico de Capricórnio, a Oceania localiza-se nas zonas climáticas intertropical e temperada do sul.

O Monte Otemanu em Bora-bora, na Polinésia Francesa. 

Devido à sua grande extensão de leste para oeste, abrange oito fusos horários, inclusive a linha que determina a mudança de data (Linha internacional de mudança de data).Além de inúmeras possessões não-independentes, administradas por países europeus, pelos Estados Unidos ou por nações desenvolvidas do continente, a Oceania inclui 14 Estados soberanos, entre os quais se destacam a Austrália e a Nova Zelândia, pelo grande desenvolvimento econômico, e a Papua Nova Guiné, o segundo país do continente em população e área territorial.Os demais, de extensão reduzida, população numericamente inexpressiva e economia subdesenvolvida, são: Fiji, Samoa Ocidental, Nauru, Tonga, Ilhas Salomão, Vanuatu, Kiribati, Palau, Estados Federados da Micronésia e Tuvalu. devído ao grande número de ilhas, costuma-se dividir o continente em:

Embora grande parte das ilhas seja de origem vulcânica ou formada por atóis coralígenos, as características físicas do continente oceânico são muito variadas. Por isso, faremos um estudo setofizado de seus traços dominantes.
Trata-se um continente sem nenhuma fronteira terrestre entre seus 14 países constituintes. A única linha divisória política terrestre é entre Ásia e Oceania, a Fronteira Indonésia-Papua-Nova Guiné. Cultural, linguística e etnicamente, o estado indonésio de Irian Jaya, tido como sendo asiático, é semelhante à Papua Nova-Guiné, habitados pelos povos papuas. Geograficamente a ilha de Nova Guiné, inteira, faz parte da Australásia, portanto Oceania. Os motivos para classificar seu lado ocidental como asiático são meramente políticos.

 

 







Pertencente ao Chile, a Ilha de Páscoa abriga um mistério histórico: de que forma seus antigos habitantes transportaram e puseram de as enormes estátuas espalhadas pela ilha.


Australia

Contornando todo o território australiano, encontram-se as planícies, que se tornam bastante largas no norte, junto ao Golfo da Carpentária, e no sudeste, próximo aos rios Murray e Darling. As montanhas que formam os Alpes Australianos localizam-se no leste e no sudeste; são de altitudes modestas, alcançando o máximo de 2.230 metros (Monte Kosciuszko).
A maior parte do país é constituída por planaltos geralmente baixos e relativamente planos, dos quais se destacam, entre outros, os montes MacDonell e Musgrave, bem como os desertos Vitória, Gibson, Simpson e outros menores, que ocupam todo o centro-oeste do território australiano.

    
A distribuição do relevo australiano, mais elevado no leste, influencia a drenagem dos maiores rios do continente - Darling e Murray -, que correm em direção ao sudoeste. Há ainda os rios Flinders, Vitória, Cooper, Ashburton e outros, localizados no leste e no norte do país. Em alguns desses
 manifesta-se uma característica da hidrografia
A curiosa paisagem australiana, o Uluru, em primeiro plano,
 e o scrubb, estepe australiana, ao fundo.
 australiana: o regime intermitente, determinado pelas condições climáticas.
Pontilham o território australiano lagos cuja origem se deve à depressão relativa do relevo, inclinado para o interior, existindo grandes formações lacustres até mesmo em meio ao deserto.
A nordeste do país localiza-se a Grande Barreira de Coral, que se estende no Mar de Coral, por mais de dois mil quilômetros.

Verifica-se na Austrália, cortada pelo Trópico de Capricórnio, a presença de climas tropicais e subtropicais, com temperaturas elevadas no norte e mais amenas no sul, onde ocorrem chuvas com maior freqüência. O clima do tipo mediterrâneo, com verão seco, manifesta-se em áreas do sudoeste e do sul. Nas vastas extensões semiáridas e desérticas do centro-oeste o clima apresenta-se bastante quente.
Em decorrência do clima, recobrem quase totalmente essa ilha as savanas e as estepes (lá denominadas scrubb), além das grandes extensões semiáridas e desérticas. Há também, entretanto, manchas de florestas tropicais e subtropicais ocupando as áreas úmidas do norte, leste e sudoeste.
 Como a Austrália foi separada dos demais continentes há mais de 50 milhões de anos, desenvolveu uma fauna única, em que se destacam o ornitorrinco, um mamífero com bico e pêlo, e os marsupiais, como os cangurus e os coalas, animais cujos filhotes são criados numa bolsa existente no corpo da mãe durante o período de amamentação.

Nova Zelândia
                               
Extensas planícies recobertas por vegetação rasteira e clima ameno fazem da Nova Zelândia um dos maiores criadores de ovinos do mundo.

Esse país é formado por duas ilhas principais, a do Norte e a do Sul, separadas pelo Estreito de Cook. De origem vulcânica, a Ilha do Norte apresenta vulcões ativos, fontes termais e gêiseres (fontes quentes com erupções periódicas), enquanto a Ilha do Sul caracteriza-se pelo relevo acidentado que contorna todo o litoral. Os Alpes Neozelandeses, que têm como ponto culminante o Monte Cook, com 3.764 metros, são a mais destacada elevação.
 
A planície litorânea ou costeira, conhecida por Canterbury, aparece em estreitas faixas ao redor de toda a ilha e alarga-se no extremo leste da Ilha do Sul.
Devido à reduzida extensão do arquipélago neozelandês, os rios que percorrem suas ilhas são de pequeno curso, não chegando a formar grandes bacias. As formações lacustres existentes são todas de origem glacial.

Milford Sound, um dos principais pontos turísticos da Nova Zelândia.

Em termos climáticos, a Nova Zelândia encontra-se na zona  subtropical sul, com temperaturas amenas e chuvas bem distribuídas pelo ano todo. Deriva da influência desse clima uma vegetação representada pela floresta aciculifoliada e por formações arbustivas e herbáceas. Uma curiosidade: a Nova Zelândia possui a maior floresta artificial do globo, Kaingaroa.

Melanésia, Micronésia e Polinésia

Espalhadas por uma enorme área do Oceano Pacífico, essas milhares de ilhas têm origem vulcânicas ou coralígena.

Seu relevo apresenta, em geral, planaltos baixos e desgastados, embora haja muitos exemplos de formações geológicas mais recentes. Algumas ilhas encontram-se no Círculo de fogo do Pacífico, que abrange os pontos da Terra mais sujeitos a vulcanismo e a abalos sísmicos. Somente no arquipélago do Havaí há três grandes vulcões: Mauna Kea, Mauna Loa e Kilauea.
Nas ilhas recobertas por depósitos de coral o solo é geralmente arenoso, nem sempre propício à agricultura, mas muitas vezes fonte de recursos minerais importantes, como o fosfato.
A hidrografia, em virtude da pequena extensão dos territórios, é insignificante, havendo casos de ilhas que nem sequer possuem rios ou lagos de água doce. A maior parte dos arquipélagos está sob influência do clima tropical, cujas características, no entanto, são amenizadas pela proximidade do oceano, o que propicia chuvas abundantes e amplitudes térmicas reduzidas.
Em virtude dessas condições, há ilhas, ou parte delas, recobertas por densa floresta equatorial, ao passo que em outras a única vegetação existente são esparsos coqueiros ou uma pequena cobertura herbácea.

Regiões Polares

 Antártida. Continente situado na região polar austral, formado por uma massa continental, localizada quase inteiramente dentro do circulo polar antártico e  cercado pelo oceano Antártico, de  limites imprecisos, formado pelo encontro das águas dos oceanos Atlântico, Pacifico e Índico, a Confluência Antártica. É o 5º continente em extensão, com c. de 14.200.000 Km², e divide-se nitidamente em duas porções: a maior, a Antártida Oriental – de tamanho correspondente ao da Austrália – e a menor e mais acidentada, a Antártida Ocidental, construída por ilhas. Separam-nas a cordilheira Transantártica, na parte continental, e as reentrâncias dos mares de Wendell, no Atlântico, e de Ross, no Pacífico, na parte oceânica. Tanto o continente como o oceano que cerca estão recobertos por uma camada de gelo de 2.100 m de espessura média, que contém 90% de todo o gelo existente no mundo.
Distinguem-se claramente as duas porções do continente: a Antártida Oriental, massa continental formada por um escudo, parte cambriano, parte caledoniano, bastante estável e muito elevado, e a Antártida Oriental, de origem vulcânica, formada de ilhas elevadas mergulhadas em capas de gelo que chegam a 4000 m de espessura. Na extremidade da península Antártica, que se dirige para o extremo Sul da América do Sul, a ilha da Decepção é um vulcão em atividade, enquanto na ilha de Ross, no mar do mesmo nome, o monte Erebus completa o “circulo de fogo” do Pacifico. O relevo do continente é importante: a cordilheira Transantártica, que separa as duas porções do continente, atinge picos de 4000 m. Outras cadeias cortam a Antártida Oriental, onde uma planície costeira se estende sob o gelo.
Fraturas e falhas soergueram a margem do mar de Ross, originando o alto fromt de montanhas de terra Victoria e a depressão do mar de Ross.Clima. O clima da Antártida é o mais rigoroso do mundo, devido a uma série de fatores, a saber: a proximidade do pólo sul; a grande elevação, que intensifica o frio polar; a cobertura de gelos eternos, com fortes características de reflexão e radiação, que também intensifica o clima polar; o completo isolamento do continente, cercado por um oceano tempestuoso de águas relativamente mais quentes. A temperatura media do mês mais quente é 0ºC na costa e de – 20ºC no planalto Antártico; no m6es mais frio, foi registrada a mais baixa temperatura na Terra: -88,3ºC na estação Vostok, em 24/01/1960. Em virtude desta característica a fusão dos gelos não chega a ocorrer nem no verão. A queda constante de neve e sua compressão deram origem à imensa calota de gelo compacto, o inlandsis, que em certos trechos chega a atingir 4.000 m de espessura, recobre todo o continente e avança pelo mar em grandes extensões, formado as banquisas, cujas partes mais afastadas da terra destaca-se formando os icebergs tabulares característicos dos mares austrais. O clima polar austral ainda sofre pela circulação do ar, que sem obstáculo que sirvam de anteparo, gera ventos violentos (ventos catabáticos),tempestade de neve e freqüentes nevoeiro (blizzards). A região é um centro de altas pressões atmosféricas e irradia correntes de ar frio que atingem todo o hemisfério austral.




 Ártico. Região correspondente à área, tanto continental como marítima, que se estende ao redor do pólo norte. Abrange, além do oceano Glacial Ártico e suas ilhas, as porções mais setentrionais da Europa, Ásia e América. Teoricamente, limita-se ao Sul pelo círculo polar ártico, embora, na realidade, se estenda um pouco além dele. Seu contorno é irregular, com trecho a diferentes distancias do pólo. O paralelo de 70º representa seu limite meridional no Alasca e na Sibéria, mas, nas proximidades do Atlântico, surgem fortes contrastes: enquanto as costas do nordeste da Terra Nova, situada na latitude da Bretanha, são dominadas pela Trunda, a Noruega setentrional desconhece o clima polar, graças a influencia atenuante das águas quentes da corrente do Golfo (Gulf Stream). Três quintas partes das terras da região ártica situam-se fora das zonas permanentes geladas.
 As terras árticas desenvolveram-se geologicamente em torno de quatro núcleo de antigas rochas cristalinas. O maior deles, o escudo Canadense, constitui a base de todas as terras árticas canadense, exceto partes das ilhas Queen Elizabeth, e avança na direção este sobre a baía de Baffin, incluindo grande parte da Groelândia. O escudo Báltico, com centro na Finlândia, incluindo toda a Escandinávia setentrional e o NW da URSS. Os dois outros são menores. O escudo de Angara situa-se entre os rios Khatanga e Lena, no norte da Sibéria central, e o de Kolima encontra-se no nordeste da Sibéria. Em torno desses núcleos houve longos períodos de sedimentação e, conseqüentemente, foram parcialmente cobertos. Embora os pormenores do relevo em muitas partes da região ártica sejam conseqüências das glaciações do Pleistoceno, as primeiras divisões fisiográficas revelam estreita correlação com a estrutura geológica

10 comentários:

  1. EU ESTAVA COM DIFICULDADES EM GEOGRAFIA MAS ESTE SAITE ME AJUDOU BASTANTE!!!
    VALEU BLZ!!!

    ResponderExcluir
  2. Vlw ae Camila Te amo você salvo minha vida nesse trabalho :D

    ResponderExcluir
  3. Seu trabalho está muito bom. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  4. trabalo muilto boom! remecheu com o fucuchico!! "AI LÓVI IU"

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. prefilo sorveti di kakinhas di molango!!!

    ResponderExcluir
  7. alguem pode me dar o resumo da segunda guerra mundial???

    ResponderExcluir